Biênio 2016 - 2017

Biênio 2016 - 2017

Pesquisar

Acesso Rápido ao Blog

Arquivo do Blog

Essas são as últimas palavras de Jesus no chamado “sermão da montanha”. Nesse sermão Jesus não usa meias palavras. É um chamado a um compromisso radical de vida. E ele termina com essas palavras profundas, como se fossem um selo, imprimindo sua autoridade ao ensino.
A primeira coisa que Jesus está procurando mostrar aqui é que a questão não é apenas fazer!  Mas fazer a vontade do pai.  Fazer aquilo que ele nos chamou para fazer.
Hoje vivemos a crise do fazer: O que fazer diante de tantas possibilidades? O que eu estou fazendo é prioridade do e no Reino de Deus? Qual a visão? O que é que Deus quer que eu faça nesse momento?


V. 21 – “Nem todo o que me diz: Senhor! Senhor! Mas aquele que faz a vontade de meu pai...”
João 4.34 – “a minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra”. Fazer a vontade do pai alimenta o ser de Jesus.
A segunda coisa que Jesus está procurando mostrar é que fazer deve ser resultado espontâneo do ser.
V. 22 – “fizemos isso... fizemos aquilo...”. V.23 – “Nunca vos conheci...”
Um dos nossos maiores problemas e o de dizer e fazer sem ser. De acordo com os versículos 22 e 23 a prioridade é ser conhecido por Jesus. E no Antigo Testamento o significado de “conhecer” é ter comunhão íntima; coabitar; viver lado a lado.
“Afastai-vos de mim vós que praticais a iniqüidade”. Interessante que a expressão iniqüidade no original é ANOMIA – falta de lei! Falta de direção! Iníquo é todo aquele que vive como se não tivesse lei, como se não tivesse orientação. Porque não tem comunhão íntima com o Senhor, não ouve a sua voz e faz o que acha que deve ser feito.
Nunca foi tão fácil fazer sem ser. O problema é que quando se faz sem ser, mais cedo ou mais tarde vem à luz, e então vem o escândalo. Por isso Jesus é radical – “saiam de perto de mim seus geradores de escândalos”.
Que vivendo uma vida de comunhão com ele, o Senhor nos dê discernimento sobre sua vontade para nós nesses dias afim de que sejamos instrumento de benção e não de escândalo para aqueles/as sobre os/as quais fomos colocados como líderes.
Bispo J. Carlos

No Cenáculo

Revista Escola Dominical