Biênio 2016 - 2017

Biênio 2016 - 2017

Pesquisar

Acesso Rápido ao Blog

Arquivo do Blog

Malaquias 4.6: “...Ele converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais, para que eu não venha e fira a terra com maldição”.

Deus nos chama a conversão de corações, interessar-se pelos nossos filhos, não somente a passar ensinamentos que fiquem retidos só na mente, mas que dessa ao coração e se integre na sua forma de existir.
De acordo com dados estatísticos sobre a formação do caráter da criança, nos mostra que do zero aos oito anos de idade em torno de 70 % do que ela vai ser até chegar a idade adulta já foi formado.
É como um cimento molhado que seca rapidamente, e necessita de dar forma enquanto ele está no processo de secagem, e depois somente na base da “talhadeira” forçado.
Por isso, temos que converter o coração dos pais aos filhos, ver o que está sendo forjado. O que está por trás de cada atitude, cada palavra, pois a boca fala do que o coração está cheio, ou como está em Pv. 23.7a: “Porque, como imagina em sua alma(coração), assim é”.
Nos adultos as crenças precedem as ações, com as crianças é o oposto, as ações precedem as crenças, e como uma criança por natureza é auto-orientada egoístamente pelo pecado, necessitamos inculcar os valores bíblicos, mesmo que aja tensão, conflitos entre elas.
A medida que o mundo da criança se expande, tudo que a criança experimenta é novo, e esse novo entra em conflito com sua própria individualidade e o desejo de servir a si mesma, e com isso não quer crescer no sentido do outro (servir), do mundo.
Não tendo enfrentamento (crise), ela não aprende a gerenciar as dificuldades, o novo, e não amadurece, e se a criança não aprender a resolver seus conflitos na infância, possivelmente será muito difícil fazê-lo mais tarde.
Em 2. Cor. 5.18-20: Diz que Deus nos deu o ministério da reconciliação, e nos nomeou embaixadores de Cristo, para implantar o Reino de Deus no coração das pessoas.
Então converta o coração a seus filhos, observe quais os valores que estão sendo sedimentados na vida dos nossos filhos.                  
 Pr. Gilson      

No Cenáculo

Revista Escola Dominical