Biênio 2016 - 2017

Biênio 2016 - 2017

Pesquisar

Acesso Rápido ao Blog

Arquivo do Blog

BASE PARA VIDA CRISTÃ
Jesus contou esta parábola para ilustrar Seu ensinamento sobre o amor ao próximo. Nessa parábola o homem que foi assaltado teve contato com três tipos de pessoas: os ladrões, os religiosos e o samaritano, cada um com um tipo de atitude:
PRIMEIRO FOI COM O EGOÍSMO (dos ladrões). - A filosofia do egoísta é: Tudo que é meu é meu, e tudo o que é seu também será meu! De qualquer jeito, nem que seja à força.
Pessoas egoístas, tal como os ladrões, querem dominar o outro, causar dor e humilhação. Impor suas vontades e caprichos, ao mesmo tempo em que não abrem mão de seus prazeres e direitos individuais. Querem arrancar do outro tudo o que o outro tem de melhor e depois o jogar fora.

SEGUNDO FOI COM A INDIFERENÇA (dos religiosos – sacerdote e levita). - A filosofia do indiferente é: Tudo que é meu é meu; tudo o que é seu é seu. (Trazendo para os dias de hoje podemos dizer que:
Os religiosos são pastores, padres, também podem considerar que levita é aquele que executa qualquer serviço ligado ao culto, ou seja, todos os que servem em qualquer ministério podem ser chamados de "levitas").
Pessoas indiferentes demonstram com suas atitudes que não se importam verdadeiramente com o outro. Não tem tempo para o outro, não se comove com a dor, as lágrimas e o sofrimento do outro, não prioriza o outro em sua vida, nada faz para levantar o outro.
TERCEIRO FOI COM O AMOR (do samaritano). - A filosofia do amor: Tudo que é meu é seu.
O Samaritano não perguntou, não investigou, não suspeitou, apenas ajudou. Não lhe interessou saber se o pobre irmão possuía esta ou aquela posição social, esta ou aquela religião, se era rico ou pobre. Somente viu nele um irmão necessitado de auxilio imediato.
Pessoas amorosas se importam verdadeiramente com o outro:
Compadecem-se da dor, das lágrimas e do sofrimento do outro. Socorrem, ajudam a curar as feridas do outro. Tem todo o tempo do mundo para o outro, priorizam o outro em sua vida. Faz de tudo para levantar o outro, até o limite das próprias forças e, se preciso for, busca ajuda externa, até que o outro esteja curado.
O verdadeiro amor se expressa em ações concretas em favor do outro
Em qual situação nós nos encontramos? Egoísmo, Indiferença ou Amor? Ou será que somos instáveis e oscilamos entre uma atitude e outra? Talvez selecionamos as pessoas, por classe social, cor, raça, religião... Mas o que Deus quer? O que Ele nos ensina? Amar ao teu próximo como a ti mesmo...”, veja bem que Jesus não está dizendo que temos que fazer o que o outro quer, nem o que achamos que é o melhor e sim o que gostaríamos que fizessem a nós, e isso nem sempre é fácil, e se torna mais difícil quando tentamos da maneira errada.
Primeiro porque queremos amar as pessoas que nos amam, que nos fazem bem, que nos cercam de atenção e mesmo assim muitas vezes não conseguimos amá-las como Deus quer, porque basta um deslize, uma palavra ou um ato para que o “amor” se evapore.
Segundo porque queremos um amor que flua de nós mesmo, mas esse amor é imperfeito, porque é humano.
Não é esse amor que Jesus se refere quando diz para amar o nosso próximo. Para amar o próximo temos que estar cheios do Amor do Tipo de Deus. Em 1ª João 4:7 vemos que: “O amor é de Deus” e em Romanos 5:5b: “O amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”. Ou seja, o Amor do Tipo de Deus não é algo natural do ser humano, o Amor é de Deus, Ele é Amor e só Ele pode nos encher com esse amor. Isto é, não podemos dar aquilo que não temos e só vamos conseguir amar como Deus quer quando sentir Seu amor por nós, e pra isso temos que parar de lutar contra tudo e todos, e até contra nós mesmos e aceitar que não podemos fazer do nosso jeito, não vai funcionar, temos que entender o que a Palavra nos diz em: Efésios 3:17-19 : a fim de, estando arraigados e fundados em amor”... Poderdes perfeitamente compreender...”E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento...
Deus quer que estejamos firmes, sintamos e compreendamos o Seu amor. Por quê? Para podermos Amar o próximo com o Amor do Tipo de Deus. Se não nos sentimos amados, também não temos vontade de amar e estaremos fora dos planos de Deus. SOMENTE PESSOAS QUE TEM SUAS VIDAS BASEADAS NO AMOR ESTÃO DE ACORDO COM A VONTADE DE DEUS.

Pense nisso e ore pedindo Amor do Tipo de Deus na sua vida para que possa transbordar a alcançar a muitos. Que Deus abençoe!

Silvana Silveira

No Cenáculo

Revista Escola Dominical